Proliferação dos aparelhos conectados

Nota

Proliferação dos aparelhos conectados faz hackers invadirem até geladeira

ANDRÉ ZARA
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

A “internet das coisas”, com geladeiras, carros e relógios conectados à rede, ainda está se consolidando, mas já é alvo de hackers. À medida que esse mercado cresce, aumenta também o risco de ataques e a possibilidade de não estarmos preparados.

No mês passado, o senador americano Edward J. Markey publicou um estudo feito com base em questionamentos enviados a 16 grandes fabricantes de carros. O relatório indica que quase 100% dos carros no mercado americano hoje incluem redes de comunicação sem fio que podem ser vulneráveis a ataques ou roubo de dados pessoais.

Só dois fabricantes souberam descrever reações em tempo real e críveis que os veículos adotariam em caso de invasão de piratas virtuais.

Essas preocupações não são baseadas só em preocupações sobre o futuro. Problemas de segurança já permitiram que hackers invadissem babás eletrônicas e xingassem crianças, além de usar geladeiras e televisões para enviar e-mails indesejados.

http://www1.folha.uol.com.br/tec/2015/03/1607112-proliferacao-dos-aparelhos-conectados-faz-hackers-invadirem-ate-geladeira.shtml

Mobilidade

por manoel veras

Uma empresa em tempo real requer acesso a suas aplicações corporativas , possibilitando a tomada de decisão a qualquer hora e qualquer momento. Esse requisito deixa claro que um dos principais viabilizadores de uma empresa em tempo real é a mobilidade que torna móveis as ferramentas corporativas. [Promon, BT&R]

Um ambiente móvel habilita uma empresa a trabalhar em tempo real  quando :

  • Conecta pessoas a informação.
  • Permite e estimula a captura e o compartilhamento da informação.

As tecnologias de conectividade são capazes de dar a uma aplicação móvel acesso a a uma rede pública (Internet) ou privada. A telefonia celular é a tecnologia mais bem sucedida , popular e madura. Ela expandiu a mobilidade para níveis até então não imaginados. A simplicidade introduzida com o uso das interfaces gráficas aderentes a padrões de usabilidade, suporte a comandos de voz e dispositivos de entrada e saída adequados é notável.

Há diferentes tecnologias para a difusão das ondas eletromagnéticas nos telefones celulares, baseadas na compressão das informações ou na sua distribuição. A evolução da telefonia móvel em termos de tecnologia é mostrada abaixo :

  • (1G) (analógica, desenvolvida no início dos anos 1980), com os sistemas NMT e AMPS; 
  • (2G) (digital, desenvolvida no final dos anos 1980 e início dos anos 1990): GSM, CDMA e TDMA; 
  • (2,5G) (uma evolução à 2G, com melhorias significativas em capacidade de transmissão de dados e na adoção da tecnologia de pacotes e não mais comutação de circuitos), presente nas tecnologias GPRS, EDGE, HSCSD e1xRTT; 
  • (3G) (digital, com mais recursos, em desenvolvimento desde o final dos anos 1990), como UMTS e EVDO; 
  • (3,5G), como HSDPA, HSPA e HSUPA.
  • (4G) (quarta geração). 4G é a sigla para a Quarta Geração de telefonia móvel. A 4G está baseada totalmente no protocolo IP, sendo um sistema e uma rede, alcançando a convergência entre as redes de cabo e sem fio e computadores, dispositivos eletrônicos e TI para prover velocidades de acesso entre 100 Mbit/s em movimento e 1 Gbit/s em repouso, mantendo uma qualidade de serviço (QoS) de ponta a ponta (ponto-a-ponto) .

A tecnologia móvel torna a localização irrelevante aumentando as oportunidades para os negócios. A explosão do uso dos smartphones , telefones móveis, capazes de se conectar a internet e que contam com diversos recursos de computação móvel traz uma série de impactos na forma e no uso da TI nas organizações.

As aplicações móveis devem suportar as funcionalidades tradicionais de AAA – authentication, authorization, accounting) referentes ao controle de acesso, aplicações de politicas e permissões e contabilização /registro para auditoria. Uma aplicação móvel pode ser representada por um modelo simplificado constituído de back-end, rede de acesso e terminal móvel.

A tendência é tornar a aplicação móvel independente da tecnologia de acesso. Esta independencia protege o investimento e aumenta a produtividade . Em termos de implementação a independencia é garantida com a utilização de frameworks de desenvolvimento que funcionam como uma camada de abstração para o desenvlvedor que tem acesso a uma interface independente da tecnologia.

As demandas mais comuns dos usuários no ambiente corporativo podem ser divididas em duas classes:

  • nível gerencial – acesso em tempo real , riqueza de mídia e uso de notificações/alertas.
  • nível operacional – a adoção de aplicações móveis tem se focado nos profissionais de campo com os sistemas de informação de força de vendas. A força de vendas nesse caso tem acesso on-line ao ERP, poden oconsultar indicadroes atualizados que lhe permitam conduzir a negociação de forma mais vantajosa possível.

As escolhas referentes a mobilidade passam por entender como as aplicações podem influenciar positivamente os fluxos dos negócios , o que torna a decisão mais estrategica do que técnica.

Referências.

Wikipedia

Mobilidade : A grande tendência do futuro, Promon Business Technology Review , 2005.